• 28 Maio, 2017 às 11:05

    É cada vez maior o número de adolescentes a preferir o skate aos desportos tradicionais, como o futebol. O material técnico tornou-se mais acessível e os skate parks têm vindo a multiplicar-se em vários países. Porém – embora já não com a mesma intensidade de há uns anos –, o estigma negativo em torno deste estilo de vida persiste. Ainda são vistos como rebeldes, jovens com comportamentos desviantes ou simplesmente diferentes. No entanto, só nos Estados Unidos existem, de acordo com estimativas recentes, entre 12 e 20 milhões de skaters. Destes a maioria são adolescentes do sexo masculino entre os 8 e os 22 anos que a dada altura resolvem fazer parte de uma subcultura que os ajuda, através de valores, práticas e sistemas de crenças, a demarcarem-se dos restantes, criando desta forma a sua identidade. 

     A favor da modalidade estão as alternativas que representa – um desporto livre e sem regras, que propõe uma visão diferente da masculinidade fomentada nos desportos tradicionais e que assenta em princípios como a agressividade, o poder e a competitividade.  No skate vencer não é a força motriz porque, além dos truques que fazem com a tábua, dos cotovelos esfolados e do barulho à porta dos vizinhos, há uma energia maior que os une e conduz – um jeito de estar, pensar e viver, uma atitude. Fonte: ionline.sapo.pt, 2013.

    Sabias que o skate como desporto teve origem na Califórnia, EUA? 

    o Skate passará a ser uma modalidade olímpica a partir de 2020 nos Jogos Olímpicos no Japão.

    Fonte: youtube

    Também és um skater? O que significa para ti esta modalidade? Dá-nos a tua opinião? Como te sentes enquanto skater? Dá-nos o teu comentário!